Versículo do dia...

Um pouco de nós / Un poquito de nosotros:

Minha foto

Olá. O Chimarrão com Queijo é o nome tem acompanhado nossa caminhada. O Márcio é oriundo de Cataguases, Minas Gerais, e a Elisandra, de Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Nossa pequena Emanuelle também é de lá.
Seja bem-vindo/a!!!!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O Bispo: A história revelada de Edir Macedo

Passado mais mais de um ano da publicação da biografia "O Bispo: A história revelada de Edir Macedo", postamos fragmentos de uma crítica do prof. João Flávio Martinez - um dos fundadores da CACP, graduado em história e professor de religiões. A íntegra do artigo encontra-se na link abaixo.
Na certeza que durante este ano ouvimos algo acerca da obra, ou até mesmo a lemos, esta crítica serve-nos como baliza, não somente em relação à IURD ou outras, mas também para a nossa auto-crítica:
Por João Flávio Martinez
Um comentário sem censuras
O livro, como obra de literatura, é muito bem escrito e elaborado. Com certeza, os jornalistas Douglas Tavolaro e a Christina Lemos foram excelentes biógrafos, mas do ponto de vista da história engendrada pelos poderosos. Agora, como uma obra fidedigna e imparcial, a leitura que faço é outra. O livro não reporta aos fatos elucidativos e nem faz uma crítica mais abrangente focando desmascarar os imbróglios envolvendo a figura de Edir Macedo. Na minha cosmovisão, o livro mostra a derrocada jornalística e a decadência da imprensa brasileira que publica sempre o que interessa e o que lucra mais (ou paga mais). Usando as próprias palavras de Macedo – “A mídia manipula a verdade...”

O Livro em si
Diz um dos autores do livro: “O que me incomodava era a possibilidade de não traduzirmos com justiça a dimensão real do biografado... Essas questões ganharam ainda maior dimensão porque nós, os autores, Douglas Tavolaro, diretor de Jornalismo, e Christina Lemos, repórter especial em Brasília, somos funcionários da Record. Em português claro: Edir Macedo é o nosso patrão. Como ter isenção para contar a vida de quem paga nosso salário?” (pgs, 14, 15).

Essa questão é fácil de responder, não houve isenção. (...) A Obra serviu mais pra endeusar a figura de Edir Macedo do que para retratar os fatos da vida dele!

Questões polêmicas
As denúncias e a absolvição do bispo
O bispo é muito contraditório mesmo. Primeiro ele elogia a justiça que o inocentou e depois denuncia que a justiça brasileira só vale pra alguns (Cf. pgs. 181-187 e 226). O bispo deveria se lembrar que em nosso país, lamentavelmente, crimes de colarinho branco ainda não dá cadeia. (...)

O jornalista Luís Nassif, em 21 de junho de 1991, fala como um profeta: “O bispo Edir Macedo que não perca a esperança, esta grande virtude cristã. Se tiver fé terminará sua fase de provação e poderá finalmente obter o reconhecimento humano e gozar sem problemas legais os bilhões que confiscou de seus crentes” (Jornal Folha de São Paulo – 21/06/91).

O Dinheiro usado na compra da Rede Record
Claro, o bispo se orgulha de ter sido amplamente investigado e nada terem contra ele hoje, mas quando indagado de onde veio o dinheiro para a compra da Rede Record que está em seu nome, ele desconversa: “Até hoje não sei como fizemos" (cf. pg. 154).

Apesar do bispo não saber como foi feito, o pastor Carlos Magno nos revela os bastidores:

“Carlos Magno de Miranda (que administrou a IURD em São Paulo), que rompeu com Edir Macedo, deu a sua versão acerca do crescimento da igreja e de onde vinha o dinheiro... Oito passageiros, líderes da IURD, embarcaram para Colômbia em um jato fretado... Eu estava entre eles... Durante todo o primeiro dia na Colômbia, esperamos no hotel o mensageiro que traria os dólares. O mensageiro só fez contato no dia seguinte, quando entregou uma pasta com US$ 450 mil dólares. As mulheres trouxeram o dinheiro nas calcinhas...” (Adaptado do Jornal da Tarde de 05/04/1991)

“... Parte do dinheiro US$ 45 milhões de dólares foi trazida da Colômbia; que outra parte foi levantada numa campanha entre os fiéis denominada ‘sacrifício de Isaque’, na qual todos os pastores, obreiros e fiéis doaram carros, jóias e outros bens – só o bispo não doou nada, denunciou Carlos Magno, embora ele na época tivesse vários patrimônios..."(Adaptado do Jornal da Tarde de 08/04/1991).

Não quero entrar no mérito das mágoas do pastor Carlos Magno, mas o que percebemos é que a IURD pagou pela Rede Record (pelo menos a maior parte), mas não recebeu e a emissora passou as mãos de Edir Macedo. Ainda que Edir tenha conseguido fazer isso de maneira legal, achando alguma brecha na furada Lei brasileira, o fato é que a emissora foi comprada com o sacrifício do povo da IURD. Hoje o bispo se orgulha de dizer que a igreja é apenas um cliente da emissora e nada mais– “A IURD nada mais é que um dos clientes da Record...” (Cf. 215).

(...)
Quanto a usar roupas íntimas pra carregar dinheiro, deve ser por isso que hoje o Lula e o Edir são tão amigos – é o dinheiro da calcinha aliado com o dinheiro da cueca – isso é uma piada!

Quando consultado das entradas e do dinheiro que movimenta a IURD, ele desconversa novamente – “Não sei de cabeça. Ainda assim não seria bom dizer. São informações de circulação interna” (cf. pg. 212). Como informações internas? Dinheiro público tem ou teria de ter suas contas prestadas a todos. As igrejas evangélicas, de maneira geral, expõem seus balanços publicamente e seus membros sabem a onde o dinheiro é gasto. Espero que pelo menos a Receita Federal saiba!

(...)

O ódio pela Rede Globo
Macedo não esconde o ódio que sente das organizações Globo – “Mas a instituição Globo faz um mal tremendo para o Brasil” (cf. pg. 233). Mas se a Globo faz mal para o Brasil, por que a Rede Record (a emissora do bispo) procura imitar a qualquer custo a Rede Globo? O bispo tenta responder essa questão: “Essa é a estratégia. Utilizar o que consideramos incompatível à nossa fé para mostrar um outro caminho à sociedade”

O bispo oferece através da Record o mesmo que a Globo: prostituição, promiscuidade, nudez, sexo explicito, violência, mortes... Enfim, a Rede Record também faz muito mal para o Brasil.

A Rede Globo se equivocou nos ataques destilados a IURD na década de 90. Ela colocou no mesmo patamar todas as denominações protestantes e nivelou por baixo – esse foi um erro fatal! Óbvio, a maioria dos protestantes ficou do lado da IURD e se viram vingados de décadas de humilhação impetrada pela família Marinho. (...) A mini-série “Decadência” foi a gota d’água – jogar uma peça íntima feminina sobre a Bíblia foi de uma infelicidade pior do que chutar a santa! O que a IURD precisava para crescer e aparecer a Globo deu de sobra!

O Bispo armado
“... Temeroso de violência e das ameaças sofridas por religiosos inimigos, o bispo decidiu usar arma. Passou a andar com um revólver calibre 38, que muitas vezes, permanecia escondido no púlpito enquanto pregava no altar” (Cf. pg. 121).

(...) Por que o bispo, ao invés de andar armado, não denunciou para a polícia que estava sofrendo ameaças? Outra coisa, como pode um homem que prega o Salmo 91 e acredita na proteção Divina, andar e pregar armado? Isso por si só já desqualifica o bispo Macedo como um pastor evangélico (I Tm 3), além de ser um absurdo e um mau exemplo - Hoje o bispo não anda mais armado, ele tem escolta armada 24 horas. (Cf. pg. 20).

O aborto
“Sou a favor do direito de escolha da mulher. Sou a favor do aborto, sim. A Bíblia também é.”(cf. 223)

(...)
Em uma contextualização bíblica, podemos concluir que o ato de defender o aborto coloca a IURD como uma denominação religiosa apóstata, com requinte lesivo que se equipara até mesmo a eugenia defendida por Hitler!

Conclusão
Poderia fazer muitas outras críticas envolvendo essa obra biográfica, mas o espaço aqui não se faz propício.

Escrever esta crítica não foi fácil. Muitos no meio evangélico acham o bispo Macedo um homem que serve a Deus, esses usam como evidência o crescimento da IURD e o exorcismo de demônios praticado pelo bispo. É bom lembrarmos a essas pessoas que várias facções não cristãs têm crescido e isso não faz delas obras cristocêntricas. Quanto ao exorcismo de demônio, Jesus Cristo mesmo quem disse: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade” (Mt 7.21-23).

A trajetória desconhecida de Edir Macedo continuará com muitos fatos encobertos, pois a biografia que foi escrita não teve a intenção de mostrar realmente quem é esse líder religioso – Talvez um dia saibamos toda a verdade, mas o que já está explicitado é mais que suficiente pra nos afastarmos desse tipo de movimento religioso!

Que possamos viver uma vida atenta aos fatos pra não sermos enganados.

Fonte: Livro "O Bispo"; D. Tavolaro e C. Lemos; Editora Larousse.

Um comentário:

Marcus (Leopoldina) disse...

Nãoconheçe o trabalho da IURD e insiste em criticar

como questionar a Igreja Evangelica que mais cresce no mundo?

32 anos e maois de 6 milhões dde fieis no Brasil

abre o olho rapais